Somos deuses?

julho 6, 2008 at 2:36 am 5 comentários

Incursões teológicas no contexto das Escrituras mostram a fragilidade do argumento dos que transformam opiniões em doutrina

 

Nova Era, o mormonismo, os espíritas e até alguns evangélicos têm sido desencaminhados com idéias anti-bíblicas em circulação na atualidade e que dizem, com efeito, que o homem é um deus ou tem a capacidade de tornar-se um. Às vezes, a afirmação de Jesus em João 10.34 é citada em suporte a tal tese: “Respondeu-lhes Jesus: Não está escrito na vossa lei: Eu disse: sois deuses?” Nesse texto Jesus está fazendo claramente menção do Salmo 82.6: “Eu disse: Vós sois deuses, e todos vós filhos do Altíssimo”.

Os oponentes de Jesus, então, aproveitaram a circunstância para acusá-los de blasfêmia: “Os judeus responderam, dizendo: Não te apedrejamos por alguma boa obra, mas pela blasfêmia; porque, sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo”, João 1033. Antes de examinarmos a lógica de Jesus na totalidade da resposta (10.34-38), será de grande valia olhar para a citação no Antigo Testamento em seu imediato a abrangente contextos.

Isso pode surpreender alguns, mas a palavra hebraica genérica para Deus (Elohim) tem outros significados no Antigo Testamento. (Ela é plural em número e pode convenientemente ser traduzida “deuses” quando aplicado ao homem). Nós devemos lembrar que isso não é aliança divina ou nome pessoal (Jeová / Yahweh), nem ela é Adonai (Senhor). A palavra elohim é também usada para divindades pagãs, porém mais para o ponto do nosso estudo, ela é usada com respeito ao homem.

O Salmo 82 indica a injustiça dos juízes em Israel. O versículo 1 afirma que “Deus está na congregação dos poderosos; julga no meio dos deuses (elohim)”.

O uso da palavra hebraica nesse sentido pode ser vista na passagem como a de Êxodo 22.8-9 a qual afirma que “se o ladrão não for achado, então o dono da casa ou ambas as partes envolvidas no caso da quebra de confiança serão levadas diante dos juízes (elohim)”.

O Targum (Traduções Aramaicas ou paráfrase das passagens do Antigo Testamento) interpreta a palavra nas passagens do Salmo 82 e em Êxodo 22 como significando juízes.

A mesma tradução pode ser aplicada em Êxodo 21.6 (NVI) que se refere ao escravo livre que deseja permanecer com seu mestre; e esse mestre os levará aos juízes (elohim). A Septuaginta, nesse verso, usa a palavra kriterion, que significa corte de julgamento ou tribunal. Essa palavra grega é encontrada em Tiago 2.6 e em 1Coríntios 6.2-4 com o mesmo significado básico.

Enquanto algumas das traduções possam ser contestadas, entretanto, é claro na palavra hebraica, especialmente no Salmo 82.6, referir-se ao homem. Como, então, pode ser uma palavra comum para Deus ser usada para designar homens como juízes?

Keil e Delitzsch afirmam que os juízes, que estão em posição de autoridade, são delegados por Deus, e portadores de sua mensagem. Por essa razão, com seus representantes, são também eles mesmos chamados elohim, “deuses”. Eles acrescentam mais: “o nome não pertencia a eles originalmente, nem poderiam eles mostrarem-se capazes de ser moralmente merecedores disso”. Essa declaração posterior é clara no Salmo 82.2-5. Esse conceito de que os juízes humanos são representantes de Deus é ecoado por Paulo em Romanos 13.1-7. Um ponto imperioso necessita ser observado que é o fato de que esses indignos juízes do Salmo 82.7 são mortais. “Todavia morrereis como homens, e caireis como qualquer dos príncipes”, Salmo 82.7.

Então deve ser notado que o Antigo Testamento é muito esparso na aplicação da palavra elohim ao homem. Isto é, por conseguinte, inapropriado generalizar deste modo o limitado e, muitas vezes, disputado uso da palavra, assim como meio de resistir à possibilidade de “divindade” para tudo.

Ademais, é extremamente importante entender o motivo pelo qual Jesus citou na passagem do Salmo 82. Ele não a citou para promover a idéia de que os homens são potencialmente deuses. Qualquer tentativa do homem ser como Deus é expressamente condenada à falha. Satanás manobrou para frustrar os planos de Deus ao tentar Adão e Eva prometendo a eles que “seriam como Deus” (Gênesis  3.5). A tentativa do primeiro casal de ser como Deus somente resultou na imagem de Deus neles sendo desfigurada, o que os removeu também da comunhão com Deus.

Herodes Agripa I sentiu satisfação intensa na adulação da multidão que disse que “sua voz era de Deus, e não de homem” (Atos 12.22-23). Embora ainda que o homem tenha sido criado à imagem e semelhança de Deus (Gênesis 1.26-27), ele foi feito um pouco menor do que Deus (Salmo 8.5). Essa última afirmação é uma resposta a essa questão, “Que é o homem mortal para que te lembres dele? E o filho do homem, para que o visites?”, Salmo 85.4.

A palavra elohim, no versículo 5 é, às vezes, entendida como que significando anjos, especialmente na visão de Hebreus 2.6-8, que cita a passagem da Septuaginta. “Mas em certo lugar testificou alguém dizendo: Que é o homem, para que dele te lembres? Ou o filho do homem, para que o visites? Tu o fizeste um pouco menor do que anjos, de glória e de honra o coroaste, e o constituíste sobre as obras de tuas mãos; todas as coisas lhe sujeitaste debaixo dos pés”.

O MOTIVO DE JESUS

De volta ao motivo pelo qual Jesus citou o Salmo 82.6, Ele poderia estar argüindo que se os juízes, que eram representantes de Deus, poderiam ser chamados de deuses, por que estão seus oponentes o acusando de blasfêmia quando ele alega ser alguém que parece ser menos – o filho de Deus – e não o Deus em si mesmo?

Também poderia ser que Jesus estivesse argüindo do menor ao maior. Os juízes no Salmo 82, ainda que fossem chamados de deuses, são indignos dessa designação porque eles têm a falsa aparência de ser alguma coisa como Deus. “Até quando julgareis injustamente, e aceitareis as pessoas dos ímpios? (Sela). Fazei justiça ao pobre e ao órfão; justificai ao aflito e necessitado. Livrai o pobre e o necessitado; tirai-os das mãos dos ímpios. Eles não conhecem, nem entendem; andam em trevas; todos os fundamentos da terra vacilam”, Salmo 2-5.

Porque então deveriam os oponentes de Jesus acusá-lo de blasfêmia porque ele se identificou a si mesmo tão rente com Deus, considerando que sua vida e trabalhos estavam em completo contraste com aqueles injustos juízes?

Isso é inquestionável e muitas vezes teologicamente perigoso generalizar uma aplicação limitada de uma passagem das Escrituras. Jesus não estava falando sobre a habilidade do homem em tornar-se ou ainda em agir como se Ele fosse Deus. O limite foi para sempre delineado entre Deus e o homem. Ele é o Criador, e nós somos criaturas suas. Ele tem nos honrado ao nos criar em sua imagem e semelhança, mas em nenhum lugar, as Sagradas Escrituras sugerem que nós temos a capacidade de nos elevarmos ou de sermos elevados ao status de deuses. Ele é Deus, e além Dele não pode haver outros deuses.

Nós somos seus filhos – filhos e filhas do Altíssimo – mas nós nunca poderemos chegar ao que Jesus inerentemente é, o Filho de Deus em senso único ao que Ele é da verdadeira natureza de Deus.

 

Por, Anthony D. Palma – Ministro do Evangelho, teólogo e escritor.
Manual do Obreiro (CPAD) – 2005

 

Entry filed under: Apologia. Tags: .

Sob o fogo do ESPÍRITO Seitas que usurpam o Espírito

5 Comentários Add your own

  • 1. O segredo « SÉTIMO PORTAL  |  agosto 19, 2008 às 2:31 am

    […] que abre as portas do sucesso,da alegria e da felicidade. Muita gente acha que é heresia dizer que somos deuses,mas nós temos a centelha de Deus em nosso interior,e pela fé podemos mover montanhas,quem plantou […]

    Responder
  • 2. willia mindas  |  agosto 24, 2008 às 2:58 pm

    existe um sr. aparentemente bem conceituado em suas congregações crecendo em graça, tendo por nome de guerra”jesus cristo homem” usa a passagem de I tim. 2 05 onde ele seria o mediador com site na net http://www.cegbrasil.com.br, vincula a mensagem que jesus já voltou, (no caso é ele o proprio), que o diabo não existe mais baseado em heb 2 14 que satanas já foi vencido por ele na cruz do calvario e que tudo agora de dificuldades humanas são coisas de homens não seria um problema espiritual.
    usam bem a mostra o nº 666 , estampado em roupas e bonés, seus cultos tem uma liturgia parecida com a verdadeira, mais tem sensualidades explicitas, homosexualismo, lesbianismo, jovens bonitas expondo partes provocantes de seus corpos, e adeptos fieis, falam mal da igreja católica a balde , do papa e dos crentes nem se fala… mande um alerta em grande escala por favor contra essa obra do diabo na terra … a paz seja contigo..
    gostaria que publicasse uma materia sobre isso e até mesmo esses casos em revista de escola biblica dominical… por favor… jose luis de jesus miranda esse é o nome da pessoa enganada pelo inimigo que acha que é jesus,…

    Responder
  • 3. Frederico Fiuza  |  janeiro 19, 2010 às 3:07 pm

    Confesso que quando lia esse versículo, achava estranho esse conceito de divindade humana, apoiada pela nova era, ocultismo e por ae vai…
    Confesso também que tinha dúvidas em relação ao real significado da palavra e da tradução.
    Esse artigo transcrito por você trouxe luz as minhas dúvidas, e agora vejo com clareza que a palavra de Deus se completa sempre.
    Obrigado !

    Responder
  • 4. Amor incondicional  |  março 18, 2010 às 6:59 am

    Com todo o respeito, você encerrou o artigo não mencionando o ‘real motivo’ de Jesus ter feita a referência que fez.

    Se uma das coisas que vocês pregam é não interpretar a Bíblia, visto que isso seria ‘blasfêmia à palavra de Deus’, como podeis interpretá-la deste modo inclusive avaliando e concluindo um ‘motivo’ de Jesus naqueles tempos?

    Por favor, creiam que essa Palavra, a Bíblia, por perecer por séculos e séculos é algo mais rico que simples interpretações humanas podem supor. Ela foi escrita em de tal forma para que o real potencial divino de cada um fosse ensinado e repassado aos que realmente a enxergam com outros olhos. Assim como os incontáveis livros gnósticos/apócrifos — em número maior do que os presentes na Bíblia (que queira ou não, foi compilada com pretextos humanos e não espirituais).

    O que há de mal em todos sermos divinos? Todos temos essa centelha e fomos, como espírito, feitos a semelhança do Espírito Maior. Devemos buscar o crescimento espiritual e juntos ajudar àqueles que ainda não acordaram para o fato real de que somos deuses e que pudemos curar bem como transmitir boas vibrações usando nossas mentes através dos nossos pensamentos.

    Estudem, busquem informação sempre. Aprendam os feitos e a amar incondicionalmente assim como Yeshua os fez.

    Os dias do “Apocalipse” — vocês sabem que o significado dessa palavra é “revelação”?? o oposto de ‘fim do mundo’!! pesquisem!! desvendem o código!! — virão para que o potencial espiritual de cada um convirja ao ápice! Façamos nossa parte, adiemos essa “consciência Universal” de puro amor e pura ajuda incondicionais!


    Apenas alguém.

    Responder
  • 5. paulo otaviano  |  março 21, 2010 às 10:52 pm

    somos representantes de DEUS sobre a terra,é como se fossemos Deus ,agimos em nome D”Ele somos DEUS agindo sobre a Terra, somos Deus e isso é fe! …

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Agenda

julho 2008
S T Q Q S S D
« jun   set »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Most Recent Posts


%d blogueiros gostam disto: